Cristal Soprado

O cristal incandescente é trabalhado em torno de 900º e 1000º, quando se encontra livre através do calor para assumir uma nova forma. O cristal flui, contrai e expande com a temperatura ambiente; não é, portanto, estático, pois trata-se de uma matéria em constante movimento.

Jacqueline Terpins compartilha com o espectador o fascínio que tem pelo movimento do cristal incandescente. Seja pelas formas, seja através da fusão das cores ou pela transparência, a origem do material está representada em suas coleções de formas orgânicas utilitárias.

O cristal soprado nunca deixa de ser um líquido e nunca deixam de fluir. Ao tornar-se um objeto, nos mostram as suas características primordiais, como a capacidade de receber, transmitir e transformar a luz.